CopenhagenDinamarcaEuropa

H. C. Andersen, o mais famoso escritor dinamarquês

Embarque nessa viagem pelos contos de fada conhecidos no mundo inteiro

Apenas pelo nome, Hans Christian Andersen, quase ninguém o conhece no Brasil. Antes de vir morar na Dinamarca, eu também não sabia quem ele era. Foi em uma das diversas pesquisas que fiz sobre o país que me deparei pela primeira vez com esse nome.

O texto dizia claramente: “o escritor do conto infantil A Pequena Sereia…”. Quando li, quase não acreditei. Fiquei me perguntando: sério que ele é dinamarquês? Então, curiosa como sou, fiquei pesquisando várias coisas sobre ele. Descobri vários outros contos conhecidos que também eram escritos por H. C. Andersen.

A vida de cada homem é um conto de fadas escrito pelos dedos de Deus. (Hans Christian Andersen)

A infância de H. C. Andersen

O escritor nasceu no dia 2 de abril de 1805, em Odense, na Dinamarca. Vindo de uma família humilde, seu pai, Hans Andersen, era sapateiro e sua mãe, Anne Marie Andersdatter, lavadeira.

Os dois haviam acabado de se casar quando H. C. Andersen veio ao mundo. Sua mãe já tinha uma filha, Karen Marie, de um caso amoroso com um homem casado, porém Karen foi registrada oficialmente por Hans Andersen, já que o pai biológico não queria contato com ela.

Não conhece a cidade de Odense? Clique aqui e veja o post em que eu falo sobre a cidade! Ela fica bem pertinho de Copenhagen, ideal para um day trip!

Até os dias de hoje, a antecedência da família Andersen permanece indeterminada. Uns defendem que eles tinham ligações com a realeza em Copenhagen, através de emprego ou do comércio.

Outros estudiosos dizem que Andersen pode ter sido um filho ilegítimo da família real dinamarquesa. Seja qual for sua real história, sabe-se que o rei Frederico VI teve um interesse pessoal durante sua juventude e pagou uma parte de sua educação.

H. C. Andersen

Sua vida em Copenhagen

Aos 11 anos de idade, logo após a morte de seu pai, Anderson teve que assumir parte das finanças da família e foi obrigado a sair da escola. Anos depois, foi tentar a vida de ator em Copenhagen.

Chegou a ser aceito pelo Teatro Real da Dinamarca, mas, devido à alteração de voz durante a puberdade, teve que abandonar este sonho. Depois da sugestão de um amigo, Andersen começou a escrever e se empenhar na literatura.

Mesmo após sair do teatro, o diretor, Jonas Collin, resolveu investir na carreira de Andersen e o ajudou a pagar seus estudos. Nesta época, o primeiro conto de sua carreira foi escrito: O Fantasma da Tumba de Palnatoke, em 1822. Depois disso, foi aceito na Universidade de Copenhagen, porém muitos ainda não acreditavam em seu potencial.

 

“Apenas viver não é suficiente … é preciso ter sol, liberdade e uma pequena flor.” (Hans Christian Andersen)

 

Reconhecimento internacional

Seu primeiro sucesso foi no ano de 1829, com: Um passeio desde o canal de Holmen até a ponta leste da ilha de Amager. Seis anos depois, o reconhecimento internacional veio com o romance O Improvisador. Nesta época, H. C. Andersen já era conhecido em toda Europa e fazia viagens frequentes pelo continente. Com o tempo, seu sucesso foi cada vez maior.

Sua verdadeira paixão: os contos de fadas

Segundo alguns estudiosos, Andersen foi “primeira voz autenticamente romântica a contar histórias para as crianças” sempre tentando passar padrões de comportamento que deveriam ser adotados pela nova sociedade que se organizava. Além disso, ele defendia a ideia de que todos os homens deveriam ter direitos iguais.

Ele continuou escrevendo seus contos infantis até 1872, chegando à marca de 156 histórias. No início, escrevia contos baseados na tradição popular, que ele ouviu durante sua infância, mas depois desenvolveu narrativas no mundo das fadas ou que traziam elementos da natureza.

Veja o vídeo abaixo e relembre a história do Patinho Feio:

Morte de H. C. Andersen

No final de 1872, Andersen ficou gravemente ferido ao cair de sua própria cama. Ele nunca se recuperou completamente das lesões resultantes. Logo depois, ele começou a mostrar sinais de câncer de fígado.

Pouco antes de sua morte, Andersen consultou um compositor sobre a música para seu funeral, dizendo: “A maioria das pessoas que caminharão atrás de mim serão crianças, então faça que a batida musical acompanhe suas passadas pequenas”.

Os contos mais famosos

Como já falei ali em cima, A Pequena Sereia é um dos contos mais famosos do escritor. Porém, tiveram outros com grande relevância para nós, brasileiros.

Dentre todas as histórias, segue a lista das que ficaram mais conhecidas no Brasil:

Odense

Importância Atual

Ainda hoje, H. C. Andersen é lembrado e homenageado em vários locais do mundo. Algumas cidades imponentes possuem estátuas do escritor: New York, Solvang (Califórnia), Bratislava (Eslováquia), Sydney, e, claro, na Dinamarca, em Copenhagen e Odense.

O Dia Internacional do Livro Infantojuvenil é no dia 2 de abril, data do nascimento de Andersen. E o prêmio mais importante desse gênero é chamado de Prêmio Hans Christian Andersen.

A premiação é realizada a cada dois anos pela International Board on Books for Young People (filiada à UNESCO) para escritores e ilustradores vivos. E a honraria consiste de uma medalha de ouro entregue pela rainha Margarida II da Dinamarca, atual patrona do prêmio.

Gostou de conhecer um pouco mais da vida e história do escritor mais famoso da Dinamarca? Você sabia que todos esses contos famosos eram dele?

A história dele me fascina muito. Um homem de origem humilde que, com seu dom e seu esforço, conseguiu ser reconhecido mundialmente e lembrado até os dias de hoje. Sem dúvida, um exemplo de vida e de perseverança.

 

Semana especial da Dinamarca

Esse post faz parte do projeto: Semana especial da Dinamarca! Onde teremos post todos os dias!! Para ver os outros post sobre a Dinamarca, é só clicar aqui.

Gostou do nosso post? Então não esqueça de salvar no Pinterest!

Share:
%d blogueiros gostam disto: